Exportação de carne bovina e suína cresce em junho

  03 de Julho de 2017

exportações de carne bovina e suína in natura pelo Brasil cresceram em volume e em receita em junho na comparação com junho do ano passado, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (3) pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).
A venda externa de proteína in natura de frango, no entanto, recuou na mesma base de comparação, embora tenha crescido em relação a maio.
Em carne bovina in natura foram exportadas 100,2 mil toneladas nos 21 dias úteis de junho, 3,73% a mais ante as 96,6 mil toneladas de junho do ano passado (22 dias úteis). O volume é ainda 10,8% superior às 90,4 mil toneladas embarcadas em maio último (22 dias úteis).
A receita com as vendas externas de carne bovina somou US$ 422,3 milhões, 11,3% maior do que os US$ 379,6 milhões obtidos em junho de 2016 e alta de 10,3% ante os US$ 382,8 milhões de maio. O preço médio pago pela tonelada subiu 7,2% ante junho de 2016, para US$ 4.214, e ficou 0,5% menor em relação à média de maio.
Os embarques de carne de frango in natura somaram 343,6 mil toneladas, 10,8% a menos ante junho de 2016, quando foram embarcadas 385,3 mil toneladas. Na comparação com maio, quando o País exportou 319,1 mil toneladas, houve crescimento de 7,7%.
O faturamento atingiu US$ 560,9 milhões, 7,3% abaixo dos US$ 605,2 milhões registrados em igual período de 2016, mas aumento de 6,3% em relação à receita de maio. O preço médio da tonelada embarcada, de US$ 1.632, ficou 4% acima em relação ao registrado em igual período de 2016, mas 1,3% abaixo do de maio.
As vendas externas de carne suína in natura totalizaram 54 mil toneladas, 1,3% acima das 53 mil toneladas embarcadas em junho de 2016 e alta de 30% ante as 41,7 mil toneladas de maio deste ano. A receita somou US$ 141,5 milhões, incremento de 25,2% ante o registrado em igual mês do ano passado e aumento de 26% ante maio. No mês passado, o preço médio da tonelada ficou em US$ 2.620, alta de 23,7% ante junho de 2016 e queda de 2,6% ante maio.

Fonte: Globo Rural 

Voltar