Fornecimento ininterrupto de gás boliviano à MT deve ser oficializado por Morales este mês

  02 de Janeiro de 2018

A parceria entre Bolívia e Mato Grosso para o fornecimento ininterrupto de gás natural está mais próxima de um contrato firme. Na tarde de quinta-feira (4), uma equipe técnica do país vizinho acenou positivamente para a assinatura do documento, que permitirá a garantia do fornecimento do produto em quantidade suficiente ao setor industrial e também do gás de cozinha às residências mato-grossenses. O anúncio foi feito após reunião do grupo com o governador em exercício Carlos Fávaro.

De acordo com o vice-Ministro de Industrialização e Comercialização da Bolívia, Humberto Salinas, a integração com a América do Sul é muito importante, é uma prioridade para seu país. E que essa parceria para o fornecimento do gás natural a Mato Grosso é uma ação que irá colaborar para que essa integração ocorra.

Fávaro, por sua vez, lembra que a parceria tem sido fomentada desde o início desta gestão. "Fizemos uma caravana pelo país estreitando o relacionamento. Reativamos o ano passado a Zona de Processamento de Exportação (ZPE), depois de 20 anos, que é voltada a nossa comunicação de compra e venda dos países da América do Sul em especial com a Bolívia. É um passo gigante e a certeza que Mato Grosso e o Brasil quer muito uma ligação mais forte com a Bolívia."

As equipes se reuniram na quarta (03) e quinta-feira (04) para chegar a um acordo de contrato. O Estado é o primeiro brasileiro em negociação com o país, visto como ponto estratégico por conta da possibilidade de consumo de seus produtos. Com a sinalização positiva da Bolívia, no próximo dia 30 o governador Pedro Taques (PSDB), participará de um encontro entre governadores de Estados fronteiriços, junto ao presidente Evo Morales, que terá como intuito formalizar e comunicar o acordo firmado aqui.

Segundo informações da Secretaria de Estado de Comunicação (Sefaz), na oportunidade, também serão discutidos avanços nas tratativas da pauta de fornecimento de ureia boliviana para Mato Grosso, a execução de pavimentação do trecho rodoviário boliviano que liga San Matias - San Ignacio, entre outros.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Carlos Avalone, explica que o Estado já tem um contrato de fornecimento de gás com o país vizinho, mas é interrompível, o que significa que o país disponibiliza o gás, apenas quando há excedente. "Isso não dá segurança para que as indústrias possam se converter para o gás natural porque ela não sabe o dia que vai terá o produto. E hoje nós consumimos pouco gás por isso".

Ele adianta ainda que a intenção é Mato Grosso passar a ter o recebimento do gás a partir de março devido aos trâmites jurídicos no Brasil e na Bolívia. "Essa demanda poderá crescer conforme formos fechando contratos com as indústrias locais".

Fonte: Olhar Direto/AGRO

Voltar